Brasil, sexta-feira, 09 de dezembro de 2016
Fundação Maurício Grabois
Classe Operária
  • Classe Operária
NÚMEROS ANTERIORES
Notícias

Daniel Almeida: Eleições diretas já! 

A queda do braço-direito de Michel Temer, nesta sexta-feira (25), indica que o governo golpista se inviabilizou graças às próprias atitudes temerárias do núcleo central do Executivo. É hora de acordarmos desse pesadelo e garantir nova eleição para que o povo escolha o futuro de nosso país.

Por Daniel Almeida* 
Daniel Almeida: Eleições diretas já!

 

Geddel Vieira Lima teve de pedir para sair da Secretaria Geral de Governo na tentativa de encerrar a crise no Palácio do Planalto. Não adiantou. A pressão pela saída do presidente ilegítimo cresce a cada hora que passa. Não há mais a mínima condição que ele continue no comando do Brasil, tendo em vista que há um consórcio em favor de interesses privados no coração governamental.

É um absurdo que o presidente da República e os seus auxiliares mais próximos exijam sacrifícios da sociedade, enquanto trabalham para favorecer demandas pessoais num jogo sórdido.

A denúncia do ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero que acusa a alta cúpula palaciana de pressioná-lo para liberar obra embargada em Salvador (BA) é só mais um episódio desta novela assombrosa, que começou com o impeachment ilegal da presidenta honesta Dilma Rousseff.

No auge do golpe contra Dilma, a Bancada do PCdoB no Congresso alertava a população de que Temer não seria solução, um governo de "salvação nacional", como apregoava. Pelo contrário, em quase 200 dias de gestão, as crises política e econômica se aprofundam e prejudicam milhares de brasileiros. Sete ministros deixaram o Executivo envolvidos em denúncias e polêmicas. A corrupção se alastra junto com tentativas de acabar com a Operação Lava Jato.

E quem perde com esta confusão toda? Os cidadãos que enfrentam sérias ameaças de perda de direitos sociais e trabalhistas. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC 55/16), em tramitação no Senado, que congela por 20 anos investimentos em áreas cruciais, como educação, saúde e segurança, é apenas um exemplo das maldades de um governo que deu o golpe para priorizar a agenda dos mais ricos.

Temos de reforçar a pressão nas ruas e nas redes pela saída de Temer antes que sejam confirmados retrocessos irreversíveis no país. Esperamos que o presidente tenha a sensibilidade para renunciar e devolver o poder soberano aos brasileiros. Eleições já!



*É deputado federal pelo PCdoB da Bahia e líder do Partido na Câmara.  




Matérias relacionadas

Twitter