Brasil, sábado, 29 de abril de 2017
Fundação Maurício Grabois
Classe Operária
  • Classe Operária
NÚMEROS ANTERIORES
Movimentos

Golpe em Honduras gera protestos na embaixada do país em SP

Na manhã desta terça-feira (30), entidades dos movimentos sociais realizaram um ato em frente a Consulado de Honduras, na capital paulista, para entrega de uma carta aberta de repúdio ao golpe de estado ocorrido em Honduras e apoio à luta do hondurenho.

O documento remetido ao cônsul-geral honorário, Dr. Fábio Ferraz Bicudo Junior, foi recebido pela secretária do Consulado, após ter informado que o cônsul está em viagem ao exterior. Os representantes dos movimentos sociais solicitaram uma audiência com o cônsul-geral, agendada para o início da próxima semana.

 

Confira abaixo o documento:

 

São Paulo, Brasil - 30 de junho de 2009

 

Carta aberta ao Consulado de Honduras e ao Povo Hondurenho

 

É com o sentimento de indignação que nós, organizações e movimentos sociais, sindicais e estudantis do Brasil abaixo assinados, recebemos a notícia de que o povo hondurenho sofreu um golpe militar a partir do seqüestro do seu Presidente Manuel Zelaya na madrugada do último dia 28.

 

Repudiamos veementemente tal ato, pois atenta contra ao processo democrático em curso naquele país, construído à custa de muitas lutas sociais e populares por trabalhadores e trabalhadoras do campo e da cidade, que na edificação da democracia Hondurenha tombaram e tiveram suas vidas ceifadas.

 

O povo latino-americano vem assistindo e participando do processo de reconhecimento dos seus direitos, que junto com as organizações sociais, sindicais e estudantis vêm construindo processos internacionais e continental de solidariedade. Em decisão soberana, a população hondurenha iria ratificar através de plebiscito a decisão contra o retorno das oligarquias ditatoriais ao poder. Como resposta a esse processo popular, essas oligarquias golpearam duramente tal processo democrático em curso, tentando imobilizar o povo.

 

Esse golpe de estado reacende nossa memória sobre as décadas de ditadura iniciada na década de 60 em toda América Latina. É essa memória de lutas e resistência que nos leva a reforçar e apoiar a luta do povo Hondurenho e exigir:

 

1. A volta imediata do presidente Manuel Zelaya ao comando do país;

 

2. O restabelecimento da ordem constitucional, sem o derramamento de sangue e sem repressão à população, que exige o retorno da democracia;

 

3. Que seja respeitada a integridade física das lideranças sociais;

 

4. Que as autoridades garantam em pleno exercício democrático a consulta popular, como forma de livre expressão;

 

Reafirmamos nossa solidariedade ao povo hondurenho, ao presidente Manuel Zelaya e às organizações e movimentos sociais que levam a cabo - e seguirão levando - as decisões soberanas do povo hondurenho e condenamos veementemente essa ação antidemocrática.

 

Assinam:

 

Via Campesina,

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra - MST

Central Única dos Trabalhadores - CUT,

Marcha Mundial das Mulheres - MMM,

União Nacional dos Estudantes – UNE,

Cebrapaz – Centro Brasileiro de Luta e Solidariedade aos Povos

Força Sindical

União Geral dos Trabalhadores - UGT

Partido Socialismo e Liberdade - PSOL

Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB

Confederação Sindical dos Trabalhadores das Américas - CSA

Consulta Popular

Partido Dos Trabalhadores - PT

Partido Comunista do Brasil - PCdoB

Partido Comunista Brasileiro - PCB

Central Geral Dos Trabalhadores Do Brasil - CGTB






Matérias relacionadas

Acessar área filiado Recadastro